Escrevo este manifesto para demonstrar que se podem realizar acções opostas, ao mesmo tempo, num único e fresco movimento. Sou contra a acção; e em relação à contradição conceptual, e à sua afirmação também, não sou contra nem a favor.


Pedro Marques @ 17:51

Seg, 04/10/10

"Amigos negros, não chegou ainda o momento do texto declamado. Dir-vos-ei apenas que esta mulher era branca e que a pretexto do nosso cheiro se dispunha a fugir. Fugir de mim, porque não tinha coragem de mandar apanhar. Ah, esse tempo maravilhoso em que se podia apanhar um preto e um antílope! O meu pai contou-me..."

Em 1959 estreou Os Negros de Jean Genet, numa encenação de Roger Blin. A peça, que devia ser representada por negros com máscaras brancas que espelhassem o público de brancos a que se dirigia, foi um imediato êxito. Nela, o autor, através de um mínimo de narrativa, o julgamento do crime de uma mulher branca, consegue pôr em confronto poético dois lados de uma mesma moeda: a sociedade, que através do teatro se vê, se julga, se incrimina, faz justiça.

O discurso dos negros pode estar desadequado aos dias de hoje (será mesmo?), com toda a sua retórica em que se envolve África, mas o que fica da leitura deste magnífico texto é a glorificação da luta, a sublimação dos sempre vilipendiados quando eles se revoltam.

Aproveitem para ler nesta versão dos Livrinhos dos Artistas Unidos. Nº 50. Tradução de Armando Silva Carvalho.



De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.