Escrevo este manifesto para demonstrar que se podem realizar acções opostas, ao mesmo tempo, num único e fresco movimento. Sou contra a acção; e em relação à contradição conceptual, e à sua afirmação também, não sou contra nem a favor.


Pedro Marques @ 18:04

Seg, 30/08/10

Não posso mesmo deixar de postar este texto do Jorge Silva Melo para o jornal Público. São os anos que trabalhei nos Artistas Unidos, resumidos num texto que devia fazer pensar.

Apenas para aqueles que se atrevem a pensar o país (a cidade, o mundo, a civilização) para além dos mediatismos, futebóis, publicidades, concursos e ignorância.

 


 

As noites já caem cedo, os letreiros hão-de estar a acender, a estas horas, os cartazes são içados nas fachadas, a temporada começa. E o que resta da crítica ainda não corroeu a alegria do que fazemos. Para quem faz teatro, Setembro é sempre um mês de esperança, o mês feliz das marés vivas e das estreias.

Passei Agosto a olhar para as programações dos teatros desta Europa. E vejo: Patrice Chéreau vai dirigir Sonho de Outono de Jon Fosse em Paris (no Museu do Louvre!) - peça de que fizemos a estreia mundial em 2000 numa cave da Capital - e Sou o Vento (que lemos no São Luiz, aquando da visita dos Reis da Noruega) no Young Vic, em Londres, em versão de Simon Stephens (autor de quem estreámos há meses, e perante o responsável silêncio da "crítica especializada", o belo Precipício no Mar).

Nestes 10 anos (que são os da nossa amizade), Jon Fosse passou do desconhecido que connosco bebia cervejas no Bairro e atravessava o Tejo de cacilheiro, a Prémio Ibsen (é-lhe atribuído pelo rei a 10 de Setembro).

E assim tem sido com os autores com que nos cruzámos na Capital, aquele edifício que as autoridades municipais consideraram um perigo. Os prémios italianos de 2009 foram parar a espectáculos com textos de Jean-Luc Lagarce, Antonio Tarantino, Spiro Scimone - e, neste Festival de Veneza, o enorme Ascanio Celestini estreia a sua primeira longa-metragem. Em Paris, Dimitris Dimitriadis foi o autor do ano (no Odéon). O Prémio Max (espanhol), que em 2009 foi para Juan Mayorga, foi este ano para Benet i Jornet (que editámos e nunca fizemos). Os Presnyakov, Scimone e agora Paravidino são feitos na Comédie Française, David Harrower estreou uma peça dirigida por Peter Stein...

Gente que revelámos em Lisboa - e alguns Portugal fora.

E agora que ensaiamos no São Luiz Hedda de José Maria Vieira Mendes, desce a tristeza: o que vou fazer depois disto, na temporada 2010-11? Onde tenho um folheto, onde estão as datas, os contratos, as traduções a chegar, as primeiras versões a serem discutidas, distribuições a serem completadas? É o que o estão a fazer os da minha idade (62, e já ando mouco!) nas cidades por onde também vivi, é o que se faz nos teatros, ao dobrar o Verão.

Em Outubro, estrearíamos A Farsa da Rua W, a obra-prima de Enda Walsh (mas onde?), cujos ensaios tivemos que suspender quando, em 2008, nos puseram fora das Mónicas; e em Novembro repunha Acamarrados (mas onde?) do mesmo autor, para os mostrar em alternância, e fazer vir cá o Enda que gosta daqueles aventais de minhota que se vendem nos Restauradores. E em digressão faria Um Precipício no Mar de Simon Stephens (mas onde?). Para, em Fevereiro, estrear Um Homem Falido de David Lescot (mas onde?). E depois, em Lisboa e em digressão, este era o ano para fazermos (mas onde?) Sou O Vento de Jon Fosse, Últimas Palavras do Gorila Albino e O Rapaz da Última Fila de Juan Mayorga, uma pecita minha (sem nenhuma importância, não tenham medo) que congemino sobre Franz Lizst (é o centenário - e eu devo-lhe a Lola Montes), e queria tanto fazer o Design For Living de Noel Coward (mas onde?, onde?). E começar a trabalhar uma peça do Almeida Faria (mas onde?, onde?)

 

E pronto, são horas de ir para o ensaio, que bom, Hedda.

Com amaríssima alegria, aproveito cada minuto de ensaio, encanto-me com os meus lindíssimos actores - e gosto tanto. Mas cada ensaio que passa é menos um dia que tenho com eles.

Pois eu sei: só ensaiarei de novo lá para Dezembro de 2011 - e é ainda um "suponhamos".

Continuamos sem local onde apresentar o trabalho de dramaturgia contemporânea que arrancámos há onze anos, quando ninguém o fazia. Chamou-se A Capital, era no Bairro Alto, no prédio que frequentaram Taborda, Eça, Ramalho - e onde expôs Columbano. E entre 1999 e 2002, foi aí que estivemos no centro da actividade teatral europeia - e alguns anos à frente de capitais mais ricas. Santana Lopes mandou-a fechar a 29 de Agosto de 2002, faz hoje 8 anos tremendos.

Entretanto, na CML, no MC, na DGArtes é um ver passar gente, presidentes, directores, vereadores e urbanistas, secretários e assessores, tanta gente - e ninguém a mandou abrir. De vez em quando chamam-me para reuniões, dizem que me sente no sofá. E o tempo passa.

E eu aqui em casa a enviar mails de parabéns ao Jon, ao Fausto, ao Juan, ao Spiro, ao Dimitris, sem saber bem que lhes dizer (quando farei a peça que lhes disse que queria fazer? E onde? Que lhes dizer da última peça que me enviaram? Algum dia a lerei com "olhos práticos"?). E eu aqui em casa, a evitar actores de quem gosto tanto, pois não sei que lhes propor.

Em Outubro, espectador, lá irei a Londres, serão férias. E em Novembro, Roma.

Mas não irei visitar os meus amigos dos departamentos literários, nem os agentes, nem os gabinetes dos teatros, não. Nenhum deles acreditará que, oito anos depois da brutal expulsão de A Capital, nada se tenha passado em Lisboa. Nenhum deles acreditará que eu, que estive tão activo na "dramaturgia contemporânea", seja agora um encenador pré-aposentado, pondo o meu carimbo (de suposto Mestre) em textos mais ou menos clássicos, em teatros mais ou menos institucionais.

Ninguém acreditará que, em Lisboa, ninguém acreditou. E que ninguém quis aproveitar o esforço (enorme e pertinente) que, com saber, oferecíamos.

Eu devia perdoar-lhes, ah, pois era, pois "não sabem o que fazem". Mas não, não perdoo.

Pois tinha sido possível, meus senhores, tinha mesmo sido possível.

 

Artistas Unidos



De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.